Últimas

Paixão Lusa – visite Portugal, deixe-se apaixonar! – Cristina de Jesus

 

Por todo o território nacional existem Castelos, Mosteiros, Conventos entre outros edifícios históricos, que foram transformados em unidades hoteleiras, em Portugal.
A ideia vem do Projeto Revive, um projeto da responsabilidade do Estado português e para o qual foi aberto um concurso público com o intuito de reabilitar algumas das joias arquitetónicas que fazem parte de Portugal, mantendo a sua identidade histórica, cultural e social. Naturalmente, que com este projeto, o Estado português elimina das suas responsabilidades parte do património público e cultural existente. Foi portanto assim encontrada uma solução aparentemente bastante lúcida e viável, para ambas as partes, os investidores e o Governo.
Com esta iniativa o Governo pretende também promover e acelerar processos de preservação do património público que se encontra em estado de degradação, tornando os espaços físicos apropriados a atividade económica e turística, gerar iniciativa económica, postos de trabalho, promover as diversas regiões de Portugal e criar atração para a procura de unidades hoteleiras em lugares menos conhecidos, descobrir o passado, entrar na história e desfrutar de uns dias num ambiente invulgar e também uma pretensão, mas acima de tudo um motivo para a procura destes hotéis.
Todo este projeto é acompanhado pelas entidades competentes, quer da Direção Geral do Património Cultural, da Direção Geral do Tesouro e Finanças e do Turismo de Portugal, I.P., contando ainda com a colaboração e parceria de vários Municípios que se empenham em facultar a informação necessária para a possível intervenção arquitetónica.
Transformar e reabilitar Castelos, Mosteiros, Conventos, Palacetes e outros edifícios com real importância e relevo arquitetónico em hotéis, foi um desafio facilmente aceite por vários investidores privados que viram neste investimento uma oportunidade de negócio extremamente atrativa e irresistível.
Embora estes edifícios estejam localizados por todo o território nacional (incluindo um imóvel do sec.XVII no Arquipélago dos Açores), a maior concentração deste património está distribuida pelo norte de Portugal, porém há que referir que 10% do PIB Nacional vem precisamente da Hotelaria e Turismo.
Coimbra, Vila Nova de Cerveira, Arouca, Amarante, Peniche, Caldas da Rainha, Cascais, Oeiras, Lagos, Portalegre e Évora são algumas das cidades portuguesas que foram beneficiadas com a intervenção do Projeto Revive, muitos destes edifícios encontravam-se em elevado estado de degradação.
Viajando agora por alguns dos edifícios que vão ser intervencionados na área da reabilitação arquitetónica, começámos pelo Castelo de Vila Nova de Cerveira.

Convento de S. Paulo em Elvas que foi drasticamente atingido pelas chamas o verão passado, ou seja, pouco tempo depois de o Projeto Revive ter visto a luz verde para reabilitar este edifício…

Os Pavilhões do Parque de Caldas da Rainha foram mandados edificar no final do séc.XIX, pelo arquiteto e administrador do Hospital Termal das Caldas da Rainha, Rodrigo Berquó, mandou construir um edifício que pudesse alojar todos os que se dirigissem à cidade para tratamentos termais, transformando Caldas da Rainha num grande polo termal, atá pela situação geográfica, tudo poderia levar a que fosse uma estratégia de turismo bem sucedida, mas, os Pavilhões do Parque nunca se estrearam para esse fim.
Durante cerca de uma década estes pavilhões tiveram as mais diversas funções menos aquela com que nasceram. Foram Escola Secundária, Quartel Militar, Esquadra de Polícia, sede para algumas associações, mas nunca uma relação direta com a atividade termal, a não ser pelo seu enquadramento paisagístico, tendo como espelho o Lago do Parque D. Carlos I, parque que também foi construído para servir de apoio às termas.
Os postais ilustrados, as fotografias que registam os passeios de domingo em família pelo belíssimo parque, revelam com este sempre foi um ícone importante na cidade de Caldas da Rainha.
Como nota, o Hospital Termal de Caldas da Rainha é o mais antigo do Mundo!
Aguardemos então a intervenção do Projeto Revive nestes monumentos que aqui mencionei e em tantos outros aos quais abriram candidaturas.
Neste último caso seria para transformar os Pavilhões do Parque num hotel de cinco estrelas, centro de reumatologia e medicina termal, terminando com um spa e vários ginásios, estes foram alguns dos projetos propostos.

Continuando esta cruzada por edifícios irresistíveis, carregados de magnetismo, com história, ou para fazer história, vou agora dar um giro por alguns monumentos, património cultural ou simplesmente por estarem numa zona paisagística fenomenal. Quiçá, ainda podem ir passar o Dia de S. Valentim a algum destes lugares românticos, sofisticados e cheios de alma.
Hotel Farol Design – Cascais, construido numa arriba entre o Guincho e Cascais tem uma vista privilegiada sobre o Oceano Atlântico.

Aqueduto, uma perfeita harmonia entre o contar histórias de um passado e a serenidade do design atual, contemporânia, que nos transmite uma tranquilidade própria da planície alentejana, mas ao mesmo tempo nos transporta para a curiosidade do passado. Entre uma coisa e outra, desfrute de um Gin na piscina do hotel.

Descendo um pouco, paramos inevitavelmente no Algarve, onde as areias são brancas, o mar de perder de vista e as noites intermináveis. Para os amantes do mar, do sol, da praia e da noite, é uma certeza.
Hotel Hilton Vilamoura, um super luxo e cheio de charme, talvez demasiado para alguns, mas o ideal para outros.

Ainda no Algarve é imperdoável não conhecer a Praia de Sta. Eulália e o Grande Real Hotel Sta. Eulália.

Vamos até á Comporta, que fica um pouco abaixo de Setúbal e pertinho de Alcácer do Sal. Tem sido nos últimos anos um local muito apreciado por um turismo exigente, que foge dos holofotes, que pretende descansar num ambiente bastante selecionado, parece que aqui reune as condições para ter essas férias de sonho.

Sublime Comporta, um alojamento de sonho, com escolhas diversas para se instalar num ambiente mágico, romântico, com umas pinceladas do campestre que caracteriza esta zona maravilhosa.

Espero que vos tenha deixado “água na boca” para dar asas ao vosso romantismo e passarem uns dias em lugares que, pela sua beleza natural e pelos fantásticos hotéis que tem a servir o turismo não vos deixem sossegar até lá darem um saltinho e desfrutarem de um país tão lindo como Portugal.
A paixão por Portugal acontece em cada virar de esquina, em cada parede caiada, no cantar do galo empoleirado no muro de uma casa de aldeia.
A paixão por Portugal acontece, a quem tem a sensibilidade e a ousadia de se deixar levar e descobrir num pequeno país de grandes extensões agrícolas, uma cidade tão moderna como Lisboa, com expressões de arte, cultura e música de uma qualidade incrível.
A paixão por Portugal acontece, a quem se deixa encantar pelo Arquipélago dos Açores, pela Ilha da Madeira, e aí descobrir a melancolia e o encanto de uma paisagem enebriante.
A paixão por Portugal acontece, quando se senta à mesa e deixa que lhe inundem o palato com os melhores queijos, enchidos, doces convencionais, as típicas feijoadas, o cozido à portuguesa… E o vinho, ai o nosso tão bom vinho português. As aguardentes velhas, os espumantes.
A paixao por Portugal acontece, quando se deixar seduzir por este pequeno país, enorme em decobrimentos e enorme nas suas gentes, que a todos recebem de braços abertos.

 

Fotos: Direitos Reservados

 

420 total views, 5 views today