Poesia

Lagoa de Óbidos

Era ali, junto ao Mar, junto à Lagoa,
Que todos os dias marcavam encontro
Era ali que me perdia a tudo contemplar

Não sei se o Mar beijava a Lagoa
Se a Lagoa abraçava o Mar…
Nunca entre eles houve um desencontro!

Nadavam, ondulavam, em bebedeiras de azul
Era infinita a beleza desta sublime natureza,
Mais adiante onde se forma um Paúl
Nem os flamingos perdem a delicadeza.

Entre o vasto ecossistema de fauna e flora
Em tons de azul por mar e céu afora
Ninguém ficava indiferente a esta aliança
Pois em todos os amanheceres ensaiavam uma nova dança!

A Lagoa era a de Óbidos
O Mar era o da Foz
Tinham os pôr-do Sol mais tórridos
Na areia contemplados por nós!

Cristina de Jesus

564 total views, 3 views today

Tags
Close
Close