Os conquistadores dos Mares do Algarve - Revista Amar
CrónicasDesportoEntrevistas

Os conquistadores dos Mares do Algarve

Teresa Duarte e Jody Lot

Na constante procura em perceber as tradições locais, as artes de antigamente e o elo com a natureza, encontramos a história da inegável ligação dos Algarvios com o mar.

Sempre consideramos o mar um elemento essencial nas nossas vidas, desde os Descobrimentos Portugueses, à procura de peixe para o sustento familiar até à diversão dos desportos aquáticos. Por isso não é de estranhar que o Algarve tenha visto nascer duas pessoas que fazem do mar a sua casa e que foram distinguidas por isso: Teresa Duarte e Jody Lot, Campeões Mundiais de Pesca Submarina.

Toda a minha família por parte da minha mãe sempre esteve relacionada com o mar. O meu avô e tios eram percebeiros. A minha mãe e tia sempre gostaram de pescar e o meu irmão faz caça submarina

Estivemos à conversa com Teresa, da Vila do Bispo, que afirma que “o contacto com o mar sempre foi muito natural e foi-me, desde pequena, incutida a caça submarina, assim como o bodyboard”. As tradições familiares de relação com o oceano foram as motivadoras de Teresa: “Toda a minha família por parte da minha mãe sempre esteve relacionada com o mar. O meu avô e tios eram percebeiros. A minha mãe e tia sempre gostaram de pescar e o meu irmão faz caça submarina.”

Este slideshow necessita de JavaScript.

Tal como Teresa, também Jody, nascido em Lagos, agradece ao pai por o ter pressionado a começar a mergulhar: “por volta dos 7 anos o meu pai pôs-me a mergulhar só com os óculos. Eu estava cheio de medo e não queria. Mas assim que pus os óculos na cara dentro de água perdi-me! (…). Nunca mais deixei aquilo”. Jody recorda que começou a mergulhar com óculos e um tridente e que por volta dos 11 anos teve a primeira arma. Mergulhava sem fato durante meia hora, saia e agarrava-se às pedras do molhe de Ferragudo que estavam quentinhas: “ainda me lembro que a minha mãe chamava por mim por cima do molhe”.

Há quem diga que uma vez em contacto com o mar, nunca mais a ligação se perde. Acaba por ser uma necessidade inerente ao corpo e à alma: “o mar é a minha terapia, o meu psicólogo”, confessa Jody. E o que talvez se faça por diversão, acaba por ser uma forma de vida e de subsistência: “comecei a praticar bodyboard quando tinha 14 anos (…) agora sou apanhadora de animais marinhos de profissão, principalmente perceves, mas também outros mariscos”, menciona Teresa.

Teresa, de 35 anos, nunca teve ambição em competir na caça submarina, mas surgiu a oportunidade de entrar para o mundial, que decorreu em Sagres em setembro, por não “haver raparigas para competir na modalidade”. Já Jody, de 37, sempre sonhou ser campeão nacional e tinha muitos ídolos de infância: o João Rosário em Portimão, o Toninho, o Rui Torres e o André Domingues. Comecei a competir com os meus ídolos e aos poucos fui ganhando!”. Incrivelmente o Campeonato Nacional de Pesca Submarina só foi ganho depois de alcançar o título no Campeonato Europeu (2011, Peniche) e no Campeonato Mundial, pela primeira vez, em Vigo (2012).

É importante referir o espírito de união e apoio das comunidades locais a estes atletas. Muitos foram os que contribuíram para que o Jody conseguisse representar Portugal nos campeonatos do mundo noutros países: “quando fui Campeão do Mundo em Espanha estive 20 dias em prospeção. Uns dias foram pagos pela Federação, outros juntei dinheiro e os restantes dias foram pagos com ajudas das entidades locais de Alvor, Portimão e Carvoeiro”.

Estes filhos da nossa terra, mas conquistadores dos mares, respeitam os oceanos e consideram a caça submarina um dos desportos mais ecológicos e sustentáveis existentes. Neste tipo de pesca o próprio mar faz o defeso, não permitindo que se mergulhe mais do que “80 vezes por ano, muito devido à visibilidade da água, das ondas, da corrente das águas e da chuva”; “É uma pesca seletiva e a que menos polui o oceano”, cita Jody. A juntar a isto, é de louvar os planos de recolha de lixo no mar que os federados da pesca submarina e os clubes locais organizam, uma vez por ano.

Filipa Glória

Mar d’Estóriaswww.mardestorias.com

31,984 total views, 25 views today

Tags
Back to top button
Close
Close