Flávio Silva: A dança de corpo e alma - Revista Amar
CrónicasMúsica

Flávio Silva: A dança de corpo e alma

“Compete, não invejes” – provérbio árabe. A dança é um ser animal que fala, que grita, que não menciona o pouco, que balança. O mundo a sobrevir, haja o que houver – e a vida responde mais leve, menos inferno, como um deus que executa movimentos e faz suscitar. A dança liberta a alma, que rima com calma. E quem não dança, morre parado – executar o corpo é terapêutico, dos pés à cabeça, uma forma de claros sentimentos manifestos. Porque a alegria é o que não se espera além das dores, o olhar do homem sacro, da súplica de quem acostuma as luzes do firmamento – a divina consagração, a serenidade do respirar longo, a terra ambicionada. No entanto, os nós de laços vermelhos, o toque da sublevação, o legado é simples e belo, e quanto mais sobe o testamento – menos fome, menos sofrimento, menos desassossego. Que a dança seja uma lição de escrever, que as palavras não sejam cegas, surdas e sem caligrafias absurdas. Aqui.

Direitos Reservados

A arte de exprimir “Danças de salão” é promulgada em grandes salas – recepções, bailes, exposições, pavilhões. Com práticas técnicas e relativas às artes, como forma de entretenimento e de integração social, sempre. A dança é uma inexplicável ternura, o ópio da vida, e nunca vem sem par; sente-se acompanhada, faz das montanhas um ser plano. Por entre árvores gigantes e cidades vastas, a intensidade dos movimentos a transbordar para lá do sol, a dramaticidade de um amor inteiro. O autêntico lugar onde os dançarinos beijam a proximidade e o olhar abraça a intensidade. E se em Itália a felicidade tem nome de Stefano Di Filippo, em Portugal a aptidão natural dá pela aprovação entusiástica de Flávio Silva – como uma flecha que se multiplica pelo ar e atinge corações vários, entre a sombra e a alma, e se a vida tem penúria de existência, que seja a dançar, a curar, a melhorar o humor, a apagar qualquer dor com extremo amor.

“Leva-me longe, meu suspiro fundo, além do que deseja e que começa, lá muito longe, onde o viver se esqueça das formas metafísicas do mundo.” – Fernando Pessoa, poemas escolhidos.

Muito antes do nosso incônscio, retirem os deuses, o ano de 2002 em traços de epígrafe, a estreia impreterível – como bom presságio – de Flávio Silva nas danças de salão, pelas mãos breves e determinadas da escola de dança “Capricho Moitense”. A observância rigorosa e paralela dos estudos, o simultâneo da ação, o tempo educado e estruturado. O rudimentar dos passos, na dianteira de todos, a desenvoltura, o futuro promitente, a forma exímia de gerir os objetos mais adversos e a certeza da riqueza envolvente. O resto é agora, a morte é somente uma vírgula. Somente.

O cerco onde os ciganos não subtraem às escondidas a sorte alheia, os fadistas recriam novas tristezas, novos murmúrios, novos caminhos, tabernas antigas, ruas escuras e sujas, o ano de 2003 diante de si como remédio santo, o capítulo das competições nacionais – chegam todos lá, se nasce a vontade de chegar – através do andamento certeiro da APPDSI (Associação Portuguesa de Professores de Dança de Salão Internacional), da extravagância arrebatada, no escalão mais baixo; um tal de “Novice C” – escalão junior. Os sonhos são olhos que tudo imaginam e alcançam.
“Aos trambolhões me inspiro, mal podendo respirar, ter-me de pé me exalto, e os meus versos são eu não poder estoirar de viver”. – Fernando Pessoa, poemas escolhidos.

A dança liberta-nos para um espaço que não este, não há certo ou errado, a liberdade volúvel permite-nos à mudança, como se da última ida e vinda se tratasse, ou do último dia de vida se tratasse – o gargalhar do vento ao transpor, o cantar a meia voz das rosas, o tumulto das águas imensas. Há homens que não entendem a linguagem da dança, que penosos e silenciosos devem ser; e o ser aqui não habita. Quando as palavras não são imprescindíveis, ou chamadas à razão, linguagem nenhuma encerra responsabilidades acrescidas. Subsiste – e que bem que existe – o dicionário do sacrifício, da destreza dos sentidos, do fresco pela manhã, da compreensão, da filosofia cara, de quem realmente sabe o que quer, quando quer.

Quem dança, indubitavelmente, cria histórias – textos fecundos, formas simples de contar. Vive-se. Sente-se. Pensa-se. Fala-se. Comunica-se através da dança, por mais ingénuo que seja o passo, ou o destino. O acontecer pelo país ao ritmo do “Chachachá”, do “Jive”, do “Paso-doble”, da “Rumba”, e do “Samba”. A solidez evidente, as desimpedidas demonstrações de carinho ao longo dos anos tornaram-se incontestáveis. O Flávio. Um candeeiro ou um candelabro; há poetas consistentes e há dançarinos que sabem florir, como é o caso acima. A pátria a existir, de norte a sul, em competições severas, sempre com a bandeira do amor ao peito. O trilho que tanto perturba, semelhante a um mar que sofre de encontro às coisas inabaláveis.

Em 2010, por força da constância, imputa-se campeão regional no escalão “Adultos intermédios”. O sol derramado sobre as gentes, o orgulho, a consolidação, o trabalhar afincadamente, o nada mais a provar, a esplendorosa festa à janela dos triunfantes, ou à abertura semelhante com vista para o Funchal, Madeira. Uma viagem sem vendavais ou estendais partidos. A ossatura inclinada às colinas como pano de fundo, os jardins e as adegas de vinho. A silhueta semelhante à Fortaleza de São Tiago; vasta e portuguesa. Por meros ecos, da aldeia do mundo, o recordar a gelatina do Tejo e o caminhar por Salou, Espanha, pela excelência da Costa Dourada, através das praias, da diversão.

O dançador de profissão que agora se encontra na FPDD (Federação Portuguesa de Dança Desportiva) no escalão “Open”, o mais competitivo de alta rivalidade. A excelência de um dançarino observa-se na entrega do corpo às pistas. A vida em harmonia. O ritmo perfeito. Um amor que sai de dentro para fora.

Flávio Silva – um ser amado num país que segue além do que vê, do que sente, do que sonha. Um país inteiro dentro dos pés.

André Marques

1,758 total views, 42 views today

Redes Sociais - Comentários

Tags
Back to top button
Close
Close