Megan Boakye & Luis de Castro
Entrevistas

Megan Boakye & Luis de Castro

Revista Amar - Megan Boakye - luis de castro - Toronto
Créditos: Carmo Monteiro

Megan Boakye

Born on March 14, 1984, in Regina, Saskatchewan, Megan Boakye (née Wappel) is the middle child to an older sister and younger brother.

Megan has been married to Kwasi Boakye since November 2018, who, for professional reasons is currently residing in British Colombia. She has always been athletic, playing basketball until she left Regina. After high school, she took Business in college but found the program wasn’t as hands-on as she had hoped, which prompted her to apply to Ryerson University. While she waited to be accepted, Megan took the opportunity to travel.

At 21 she moved to Toronto to attend Ryerson, where she studied Fashion Communications, staying longer to complete her minor in Marketing—this gave her a foundation for the business side of the creative world.
After graduating, Megan worked for HomeSense and Oxygen Magazine but the growth of her own company—Megan Wappel Design—forced her to quit her full-time job.

During the Covid lockdown, Meghan added author to her resumé. Her first book, Once Upon a Celebration… with Audrey and Gordie, which features characters named after one of her nieces and her father, will be released this Winter.

What’s the next step for Megan? “Hopefully kids soon!”
Megan Boakye is a very talented and creative woman and a reflection of optimism and sympathy.

 

Revista Amar - Megan Boakye - Toronto
Créditos: Carmo Monteiro

 

“We have to be positive and try to see the light at the end of the tunnel. The future is bright, but I think we all have to be responsible right now, do what we need to do, pivot where we can, and hang on tight!!!”

 

Revista Amar: I know you are not from Toronto.
Megan Boakye: No, I’m not… I’m from Regina, Saskatchewan.

RA: Why did you decide to move to Toronto?
MB: I moved to Toronto to attend Ryerson University. Ryerson was the only University that offered a degree in Fashion Communications. I stayed longer to complete my minor in Marketing, this would allow me to focus on the business end of the creative world. I didn’t necessarily concentrate on the fashion portion of it, I really focused on the graphic design and business end of the degree.

RA: Was it a difficult decision to make or was it more like “one day I will conquer the world” kind of thing?
MB: It’s never easy leaving family but I knew it was something I needed to do! Being from a smaller city where you sort of know everyone it was a big change of pace moving to Toronto. So, yes it was hard to leave but I’ve never thought it was the wrong decision to make. Both my parents were very encouraging, my mom actually took Fashion as well. In the design industry wanting to work for big corporate brands, a big city is where I need to ground my company in order to get those opportunities.
Before Covid-19 I was able to visit home all the time, so I got the best of both worlds. It’s also provided me the ability to take on design work there as well! Saskatchewan has actually grown a lot with regards to the creative community so it’s nice to still be able to be involved time and again!

RA: Did you ever regret it?
MB: No… I don’t regret it! There are days I wonder why (laughs) I do what I do, but I don’t regret it… and I don’t think there is anything else I would rather be doing.
Also, Toronto (Ryerson to be exact!) is where I met my husband, so that’s a big win right there (laughs).

RA: How did you meet Luis?
MB: I met Luis when one of our industry friends, a very close friend of ours that does events as well introduced Luis and me! He’s stuck with me now (laughs).
Everyone who knows Luis, they just want to be around him… he’s wonderful!!! So, we meet at an event, he was draping a tent and then I got him to drape another event and the more I talk to him about my crazy ideas, the more I realized he is the only other person in the whole world that actually understood what I was saying (laugh)… and he always pulls through!
I like to think a lot of the projects we take on we really strive to design “outside the box”, so when I come up with crazy ideas I do get a lot of vendors saying “No you cannot do that, it won’t work, I don’t even understand”. Because a lot of our stuff has not been done before I don’t have visuals to show vendors and suppliers, I have to draw it myself and Luis is the only person who gets it, he sits with me and engineers projects until we achieve the perfect product.

RA: So, you are the perfect team?
MB: Yes, we are!!!

RA: Is it easy to work with him?
MB: Definitely, yes! But you know what is not easy sometimes I find with Luis is that he is so willing to be there and help, that you have to stand back and realize that you gave him to much work to do (laughs)… because he does such good job and loves to work but at the same time he is a human and he needs to relax (laughs).

RA: You are the designer. Where do you get your inspiration?
MB: Oh… everywhere. But you know, I really find myself gravitated towards restaurant design, I love it. Restaurant design around the world, tiles, bar fronts, countertops, floors, lighting, all those elements really ground a project. I love the texture, it provides so much depth. Anything from concrete to wood to Plexi… I feel like I need to incorporate texture into everything that we do.
People don’t realize but a lot of our projects, we build the space from the ground up. With such big transformations, I get so excited to bring in lighting and flooring, because these design elements are the details that bring everything together. Sometimes people just work on tabletop settings but it’s actually the lighting that really is one of the most important elements!
I get my inspiration from the strangest places sometimes as well. I can see a pattern on a shirt that makes me want to do certain colours; travelling – which we can’t do much now – but photos of travelling are also a big inspiration to me. Fashion is also something that inspires because of the fabrics and colours, the creative ways fashion shows are now done. Taking inspiration from all of the above is guaranteed to provide amazing design and experience for clients and guests that attend our events.

RA: But you need to have some skills to visualize people’s wishes?
MB: Yes, and it’s hard. Usually, I draw it out for them so they can see it. When people tell me what they think they want, I’ll take that but then also give it a spin of my own because that is what they are hiring us for, right? They may or may not necessarily be as visual and sometimes they go for it, sometimes they don’t. Because a lot of our ideas are more original we don’t always have visuals to provide the client, I get items that are as close as possible and then sketch out the rest and try to explain in our concept meetings with storyboards, colour swatches, building materials, anything I can to help them visualize the potential of the design. For our design meetings, it’s important for me to do it in person when we can. I realize because we have clients in other parts of the world this isn’t always an option, and with Covid as well it’s not always an option, but when I can meeting in person it is the best this allows me to sense body language with clients as well as better explain our ideas.

RA: Is it hard to fulfill other people’s dreams?
MB: It depends on what they want and their budget because I don’t think a lot of times people realize the cost that goes into things custom… it adds up. Obviously, with any budget, we have to be creative but when it comes to custom builds it is a lot of balancing expectations and finances. We are hired as professionals to help clients create a successful event or activation so we are here to help them delegate their budget into the best experience we can. I always like to provide them with different scenarios on how impactful we can be, the places to concentrate their budgets where I think they can achieve the best outcome, and where I don’t think they need to go crazy! I always try to make sure that we fulfill people’s dreams in one way or another, I just have to go through different designs plans with them until I achieve what they want.

RA: People like to have big productions with lots of details about important events. With the pandemic, has that changed?
MB: With the pandemic, there are still very detailed events, they just aren’t as large. It’s more intimate. I don’t think that is ever going away. People crave social interaction, even if it’s just with immediate family right now!

 

Revista Amar - Megan Boakye - event1 - Toronto
Créditos © Angelina Aristodemo Photography
Revista Amar - Megan Boakye - event3 - Toronto
Créditos © Amsis Photography
Revista Amar - Megan Boakye - event2 - Toronto
Créditos © Angelina Aristodemo Photography

 

RA: How are people’s expectations, during this time? And are they more demanding or understanding?
MB: They understand. I mean, to an extent, I think, everybody is annoyed in one way or the other with a lot of event industry companies losing business and closing down entirely, people not able to see family… everyone is a little bit frustrated in that aspect, for sure. But everyone has been following the rules and we have to. I can’t do an event unless we follow the rules, because that’s on my business, I do not want to be part of the problem. For all our events we do the Covid-19 signing forms, we make custom masks for everybody, we have hand sanitizers handed out to everybody, all staff and catering have masks and gloves, tables 6 feet apart, and any other regulations that are implemented we have to follow.
Our clients are understanding. As a small example of something you may not even think about.. most of our clients like to have charcuterie boards, fruit platters, etc. but, they don’t realize that we can’t do that right now, because it’s too many hands-on one platter. Now, this is where we jump in, get creative by designing individual serving boards for each guest! So yes, they are quite understanding of everything when I get down to details and explain to them, but I think it comes down to people being frustrated from day to day what is going to be implemented by the government? Clients are hesitant to even put down deposits for small gatherings anymore because we don’t know if they will have to be canceled, and most of these people have already lost deposits from the springtime planning! However, on the other hand, they know the seriousness of what could happen if someone gets sick. Our clients have been respectful of our team and also implementing all the rules and we have waivers that they have to sign before we show up anywhere.

RA: Regarding events, what is your opinion about the measures taken by the government?
MB: All clients who have hired a professional and responsible planner for their backyard events should of been able to have them, it is no different than having them at a venue, these events are all monitored and all precautions are being taken. Do I feel they need to be large events, no I don’t, but any of the intimate ones should have been able to continue. It’s mentioned that venues etc. weren’t having to closing down to help sustain the economy which I agree with, however, all the responsible monitored backyard events were also companies being hired that have now lost all their business. From the caterer to security that was hired, the planning companies, tent and decor companies all have now lost that business, again. It has to lead many to completely close their doors after many years of business. Backyards were allowed, but now backyards aren’t allowed but venues are… so, it has been a lot of pivoting cutting guests, pivoting to restaurants, to venues, to who knows maybe next week back to backyards… so hard to predict!
Unfortunately, It is the people that don’t give any regard that are having large parties on their property with no measures taken that have aided in the restrictions being placed on the families and companies that were actually being responsible.
On a completely different note, I do have to understand that it only takes one person to attend a gathering that has Covid to potentially spread it to so many others. I could go in circles about this. It’s just sad to see your fellow colleagues losing their businesses and it’s sad to see people sick. It’s such a fine line.

RA: Did they miss something or are they too stricken?
MB: It’s the first time (for most of us) that we have gone through a pandemic… I don’t think anyone knows what they are doing (laughs)… let’s leave it at that. What I do feel is that people losing their livelihoods is also a crisis of its own.

RA: Luis told me about a book that you wrote. Tell us all about it…
MB: Well, this book was a bit of a passion project of mine that I wanted to do, but we were just so busy all the time and I also didn’t want to stretch myself too thin. When Covid-19 actually first hit and most of our events got postponed I thought that was the best opportunity for me to tap into writing and creative directing the book. The book is called Once upon a Celebration – with Audrey and Gordie.
The book ties back into our events and because we are known for being creative with kids’ events it’s fitting for Megan Wappel Designs. The characters’ names are Audrey and Gordie. Audrey is my niece’s name and Gord is my dad’s, I incorporated my whole family in the book.
A little summary of the book: Audrey and Gordie get invited to 6 events in one day! Each event they go to is a learning experience for the child who is reading the book. For example, Audrey and Gordie went to a Paint Party, so the kids are learning about colours and so on and so forth. And it’s “… with Audrey and Gordie” because I would love it to be a series where they possibly travel around and experience different celebrations within different cultures, so kids can learn that people celebrate things in different ways.

Revista Amar - Megan Boakye - book - once upon a celebration - Toronto

 

RA: And where can people find it?
MB: The book will be out in the Winter… fingers crossed, end of November. But again, with Covid-19 it’s hard to predict anything but, they can go to my website, and press the link to pre-order. Pre-orders are open now!!!

RA: How do you see the future?
MB: I see the future being very promising once we get out of this, and as I said earlier on I know that people will want to party and celebrate again… there isn’t any “ifs” or “buts” about it to me, it may take a little while, but I see the future being very, very busy for us… hopefully, for all of us in this industry, we just have to get through this. We have to be positive and try to see the light at the end of the tunnel. The future is bright, but I think we all have to be responsible right now, do what we need to do, pivot where we can, and hang on tight!!! In the meantime try to celebrate all the family time we are getting, and embrace what you can to stay positive.

 

Revista Amar - Megan Boakye - luis de castro - Toronto2
Créditos: Carmo Monteiro

 

Luis de Castro

Nasceu no seio de uma família pequena do lado da mãe e grande do lado do pai, a 4 de dezembro de 1959 em Quatro Ribeiras, concelho da Praia Vitória, na Ilha Terceira, Açores. Tem um irmão, 3 anos mais velho. Considera que teve uma infância muito boa, com muito amor, respeito e educação, valores estes que o acompanham até hoje.

Luis chegou a Toronto a 17 de junho de 1981, dois dias depois de ter concluído 1 ano e meio de serviço militar, aos 21 anos. Viveu os primeiros tempos na casa da avó materna, mas depressa procurou a sua independência, que muito preza.

Homem de convicções e princípios, nunca teve medo de trabalhar e depois de ter passado por várias ocupações profissionais, encontrou na organização de eventos a sua realização profissional. Com a sua empresa, LM Event & Design, organizou eventos reconhecidos no Canadá, tais como: October Fest, o Brazilian Ball, o Christmas Market, a Oak Leaf Gala e a Gold Medal Plates.

Aventureiro por natureza, Luis adora viajar, principalmente passar todos os anos pela “minha ilha”, como carinhosamente trata a Ilha Terceira, para matar saudades.

Perto de comemorar 40 de Canadá, Luis de Castro é um homem feliz, grato, sem arrependimentos e acima de tudo realizado.

 

Revista Amar - Luis de Castro - Toronto
Créditos: Carmo Monteiro

 

“Todos dias agradeço por mais um dia de vida, sou feliz e sinto-me realizado.”

 

Revista Amar: Nasceu na Ilha Terceira e comparado com Toronto é um meio pequeno. Como foi a sua infância na ilha?
Luis de Castro: A minha infância foi muito boa, numa família pequena. Tenho um irmão, 3 anos mais velho, a minha mãe é filha única… então do lado da minha mãe a família é pequena, já do lado do meu pai é muito grande! Mas foi uma infância muito boa, muito cheia de amor, muita educação, muita alegria… não me faltou nada.

RA: Com que idade chegou ao Canadá?
LdC: Cheguei ao Canadá com 21 anos, no dia 17 de junho de 1981.

RA: Que marcas da ilha ainda se encontram presentes na sua vida?
LdC: São muitas… para começar gosto muito da minha ilha e vou lá todos os anos pelos meus pais e pela família que ainda está lá. Gosto muito da ilha, da minha casa, da casa dos meus pais, do local onde nasci à beira-mar. Tenho um pedacinho bem grande dentro de mim que me chama lá…

RA: E porque imigrou?
LdC: É uma pergunta que já me foi feita muitas vezes, principalmente por amigos canadianos que já foram a Portugal… eu vim cá pela primeira vez, com 17 anos, visitar a minha avó materna que morava aqui. Então vir de uma ilha pequena, duma freguesia muito pequeninha e chegar aqui foi como ter chegado a um outro mundo e fiquei apaixonado. Eu quis ficar, mas a minha avó não me autorizou e disse que depois de eu fazer a tropa, podia voltar se ainda quisesse. E eu saí da tropa num dia e noutro já estava a viajar (risos)… foi aquela vontade de conhecer e de ir atrás de novas experiências.

RA: Como foi a adaptação?
LdC: Eu considero que foi boa, porque sou uma pessoa que se adapta muito facilmente a tudo… sou o tipo de pessoa que se tiver que dormir no chão, durmo. A única que coisa que me afetou e ainda afeta hoje é o frio, não suporto o frio. Nesse aspeto foi difícil no início porque quando cá cheguei fui trabalhar para a construção e para fora de Toronto e só vinha de 15 em 15 dias a casa e se fosse preciso trabalhava sábados e domingos… essa época foi um bocado puxada até que cheguei a uma altura que decidi que aquele trabalho não era para mim e fui trabalhar para as limpezas e depois daí passei por tantos outros empregos que até lhe perdi a conta.

RA: O que procurava encontrar no Canadá?
LdC: Uma vida diferente, com pessoas com a mente mais aberta e que não criticassem o próximo, apesar de nunca ter sido o tipo de pessoa que se preocupa com aquilo que os outros dizem, porque ninguém paga as minhas contas… procurava um mundo “wow”, sabe como é quando somos jovens. Se fosse hoje ou até alguns anos atrás acho que não tinha vindo. Eu tinha lá oportunidades de ter uma vida boa também, mas acho que foi aquela ilusão de juventude…

RA: … e encontrou o que procurava?
LdC: Encontrei e estou bem.

RA: Com que idade descobriu a sua identidade sexual?
LdC: Eu sempre soube, não foi algo que aconteceu de repente… já nasci assim.

RA: Mas, por vezes ouve-se que as pessoas passam por uma fase de “confusão” até se autodescobrirem…
LdC: … eu penso que isso só acontece por causa do medo do preconceito, do que os outros vão pensar ou falar e acima de tudo da família. Eu nunca tive o apoio da minha família, mas eu sabia quem era. Também sempre respeitei para ser respeitado e nunca me faltou isso e fui sempre muito respeitado. Depois que vim para aqui, as pessoas iam perguntar por mim à minha mãe ao sair da missa e choravam com saudades minhas porque soube respeitá-las, mas também me dei ao respeito. Por exemplo a minha mãe queria que eu casasse eu pensava “para quê casar? Só para tapar os olhos ao mundo? Só para fazer a minha família feliz ou para as pessoas não falarem?” isso não me interessava e nem me interessa… e há muitos casos desses. Há que aceitar quem somos, apesar de não ser fácil. Eu sou daquelas pessoas que quem sabe, sabe e quem não sabe se me pergunta com delicadeza, eu respondo pois não tenho vergonha nenhuma de mim e nem me sinto inferior a ninguém e considero-me uma pessoa muito feliz com os meus princípios e os meus objetivos. Sei que há pessoas que me criticam e há os que não, mas enquanto houver respeito, ou seja, enquanto me respeitarem e eu respeitar os outros, a mim não me interessa o que as pessoas falam. Em casa, nós simplesmente não falávamos, mas os pais são sempre os primeiros a saber, por vezes não querem aceitar… no meu caso o meu pai aceitou melhor do que a minha mãe porque eramos muito chegados, contudo o meu pai não falava mas também nunca me criticou e a minha mãe teve uma altura que chorava porque não entendia e eu tenho que concordar que não era fácil para eles, principalmente porque vivíamos num meio pequeno. Já a minha avó materna, que era muito liberal e com uma mente muito aberta, dizia à minha mãe que “há filhos de médicos que são homossexuais, porque é que o teu filho não o pode ser?”. Apesar de não se falar do assunto, houve uma altura que me tive que pôr na linha da frente e fazer entender aos meus pais que era a minha vida e que ou aceitavam-me ou que me esquecessem.

RA: E essa conversa foi antes ou depois de ter imigrado?
LdC: Foi depois, porque antes nunca tinha havido problemas apesar de haver algumas pessoas que sabiam, eu mantive uma certa cautela e muito respeito. Aqui conheci um moço com quem tive uma relação de 10 anos. Chegámos a ir de férias à Terceira e os meus pais e a minha avó adoram-no e mesmo depois de nos termos separado, os meus pais já vieram cá e estiveram em casa dele… claro que quando fomos lá a primeira vez houve um choque, mas nunca me esquece que quando chegámos ao aeroporto o meu pai pôs uma mão em cima de ombro de cada um de nós e disse “façam a vossa vida” e foi a única conversa. O meu irmão e a família sempre me aceitaram e não há problema absolutamente nenhum.

RA: Então quando chegou ao Canadá sentiu-se livre?
LdC: Senti-me livre, mas sempre tive a minha cabeça bem colocada sobre os meus ombros. Nunca fui uma pessoa fácil ou de fazer loucuras, eu sempre gostei de tudo com muito respeito e educação.

RA: Esteve ligado ao movimento Arco-íris, aqui em Toronto?
LdC: Para dizer a verdade eu nunca estive muito ligado ou envolvido na direção, mas ajudei muito a fazer os carros alegóricos para a “Pride Parade” e dei materiais e muito do meu tempo.

Revista Amar - Megan Boakye - event6 - Toronto
Créditos © Mango Studios Photography
Revista Amar - Megan Boakye - event5 - Toronto
Créditos © George Pimentel
Revista Amar - Megan Boakye - event4 - Toronto
Créditos © Megan Boakye

 

RA: Porém esteve durante muitos anos envolvido no Brazilian Ball que era um evento anual e que chegou a ser considerado, na época, o mais esperado do ano. Está a ponderar a dar-lhe “vida”?
LdC: Eu trabalhei 14 anos para o Brazilian Ball com a Ana Maria, que era como uma segunda mãe para mim. Ainda hoje, 13 anos após o seu falecimento, tenho aquele choque quando penso nela e custa-me a acreditar que ela já não se encontra entre nós. Eu adorava aquela mulher. Depois do seu falecimento, o baile perdeu um pouco do seu glamour e do seu espírito, porque de facto era ela que trazia esses fatores para o evento, mas mesmo assim ainda se fez durante 4 ou 5 anos. Esta festa foi considerada a maior do mundo dentro de um salão… vinham desfiles de Carnaval do Brasil, era uma coisa impressionante. Não havia e ainda não há nada igual! O Ivan de Sousa, viúvo da Ana Maria, deu-me os direitos do Brazilian Ball e por mais que eu queira trazer o baile de volta, que é o meu sonho, é preciso ter-se muita coragem pois é uma festa muito trabalhosa. Mas para resumir, os direitos do baile estão legalmente em meu nome e do meu sócio e esperamos conseguir trazer o Brazilian Ball em 2022. Obviamente que não estamos a pensar em começar com números muito elevados… a própria Ana Maria começou com 30 pessoas até chegar às 2.000 pessoas. Mas, de degrau em degrau, tenho muita fé que o baile venha acontecer num futuro próximo.

RA: Angra do Heroísmo é património da humanidade, estatuto merecido pela sua história e beleza arquitetónica. Herdou esse seu sentido estético e a maneira como planeia da cidade?
LdC: Já me perguntaram muitas vezes se andei na escola para aprender o que faço e a resposta é não, nunca andei, mas acho que puxei ao meu avô paterno, que era muito conhecido por fazer os altares das festas do Espírito Santo e colchas de retalhos. Sou muito criativo e habilidoso e penso muito como fazer as coisas. Como a Megan disse há pouco, ela quando vem com as ideias em teoria, eu arranjo sempre maneira de as concretizar na prática. Antes de ter imigrado, trabalhei numa carpintaria na ilha e fazia móveis e gostava, mas nunca pensei que fosse servir para o que faço hoje. E, quando conheci a Ana Maria ela pegava em revistas e mostrava-me fotografias do que gostava e pedia-me para fazer igual… eu dizia-lhe que não sabia se conseguia, mas ela repostava que eu conseguia. Facto é, a casa dela foi toda decorada por mim, inclusive forrei os quartos com tecido ao estilo francês e depois trabalhei para o Consulado Brasileiro. Acho que tenho um “dom” e nem tudo é aprendido na escola e acho que o que vem de dentro de nós e que sai naturalmente é muito mais valioso.

RA: Teve a oportunidade de estudar na ilha?
LdC: A situação antigamente era difícil, mas tive essa oportunidade graças à minha avó que nos pagou os estudos. Tirei o 4° ano, mas não aproveite. Eu andava na escola na Praia da Vitória à beira-mar e eu e as minhas colegas arranjávamos maneira do professor nos pôr na rua para irmos para a praia. Acabei por ter que repetir o 4° ano e eu não queria estudar mais, então o meu pai um dia arranjo-me um trabalho na carpintaria. Depois fui para a tropa. O meu sonho era ser hospedeiro de bordo e ainda me inscrevi, mas na altura quando cheguei aqui a opção era ir trabalhar ou estudar, mas como tinha que me sustentar tive que deixar.

RA: Fale-nos da sua empresa de eventos e como surgiu a oportunidade de colaborar com a Megan?
LdC: Tenho a minha companhia LM Event & Design e tinha eventos e trabalhos grandes por ano, como o October Fest, o Brazilian Ball, o Christmas Market, a Oak Leaf Gala – uma gala italiana que faço há 17 anos – e a Gold Medal Plates. Num desses eventos através do Manuel DaCosta conhecia a Elvira, que também fazia eventos e que mais tarde me apresentou a Megan. Mas, com a pandemia os meus trabalhos grandes foram todos cancelados e quando conheci a Megan, que para mim é a melhor designer de Toronto e quiçá do Canadá – as ideias dela são maravilhosas -, juntámo-nos e estamos a fazer eventos. Ela tem me dado muito trabalho e temos estado ocupados… para o próximo ano vou ter um casamento grande e já a envolvi neste trabalho. Eu não tenho ideias como ela tem e ela não faz o que eu faço, então nós complementamo-nos!

RA: A pandemia chegou e atropelou tudo e todos. Como tem sido para LM Events & Design?
LdC: Foi e é horrível. Eu estive 6 meses sem trabalhar e depois tudo o que viesse à rede era peixe… Agora estou a pintar uma loja na Yorkville, mas se for preciso vou limpar ou que for… a vida continua e não podemos desprezar nenhum tipo de trabalho.

RA: E como estão a superar ou conseguir ultrapassar esta fase, quando o Premier muda as leis de 2 em 2 semanas?
LdC: Olhe, eu não ouço as notícias e nem estou bem a par do que se anda a passar… mas, acho que há um certo exagero em certas situações. O Premier pode falar e fazer as leis que quiser, mas está dependente das atitudes das pessoas, que se não respeitarem isto não vai melhorar. Acho, que ele também deveria ter em consideração os negócios e os empresários, porque isto está a ser um desastre e ter mais coerência… faz algum sentido que numa sala fechada só possa estar um número reduzido de pessoas, quando há manifestações com centenas, umas em cima das outras? E há outras mais que são difíceis de entender.

RA: Se as condições não melhorarem num futuro próximo, já têm uma alternativa?
LdC: Não tenho, porque este é o meu trabalho e já não tenho idade para andar a mudar de trabalhos daqui para ali… mas estou confiante que isto vai mudar para melhor.

RA: Quase há 40 anos no Canadá, qual é o balanço que faz da sua vida? Alguma vez se arrependeu de ter saído de Portugal?
LdC: O balanço é positivo. Gosto de me divertir e de ver as pessoas ao meu redor bem, gosto de ajudar quem precisa, fico feliz por ver a felicidades dos outros e o bem-estar dos outros não me incomoda, porque cada um tem pelo que lutou na vida. Viajo muito… adoro viajar, também trabalho muito para isso e não sou o tipo de pessoa que trabalha para guardar o dinheiro. Não estou arrependido e foi uma escolha minha. Este país deu-me muitas oportunidades e uma vida boa, que se calhar não tinha se tivesse ficado em Portugal, como viajar e ajudar quem precisa. Não estou arrependido, mas um pedacinho do meu coração está lá e quem sabe se um dia divida a minha vida entre cá e lá.

RA: Como é que se define?
LdC: Olhando para o meu percurso, sou uma pessoa lutadora e positiva que nunca pensa em desistir, sempre pensei assim, particularmente depois de ter tido problemas de saúde muito graves. Sou uma pessoa organizada e responsável com uma vida estável. Todos dias agradeço por mais um dia de vida, sou feliz e sinto-me realizado.

Carmo Monteiro

 

Redes Sociais - Comentários

Botão Voltar ao Topo